terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

PROGRAMA Nº 1



O programa Ondas Literárias estréia na Rádio Cultura Brasil (1200 kHz) neste sábado, dia 25 de outubro, às 10h30. É possível ouvir o programa também pelo site www.redeculturabrasil.com.br.

Em nosso primeiro programa, o quadro viva-voz irá apresentar um bate-papo com o poeta maranhense, radicado em São Paulo, Celso Borges. Ele é jornalista e, entre seus livros, destacam-se Persona non grata (1990) e Nenhuma das respostas anteriores (1997). Tem dois livros-cd's: XXI, no qual seus poemas impressos vêm acompanhados pelo registro em áudio da leitura de 21 poetas maranhenses, e música, que conta com a colaboração de vários artistas, entre poetas, músicos e compositores como Ademir Assunção, Vitor Ramil, Zeca Baleiro e Chico César.

No sonar, confira uma faixa desse trabalho, “linguagem”, interpretada pelo Cordel do Fogo Encantado.

14 comentários:

Barone disse...

Olá Andréa. Muito bacana a sua iniciativa. Vou acompanhar o programa. Tomei a liberdade de incluir o link deste blog em meu espaço virtual.

Lancei meu primeiro livro de poesias, "Outros Sentidos", em junho, de forma independente. Gostaria de enviá-lo para você.

Um abraço,
Barone.

Barone disse...

Uma dúvida... no texto inicial do blog você diz que a estréia é as 21h30, mas na barra a direita o horário do programa está para às 10h30. A estréia é em horário diverso ou há um erro?

Anônimo disse...

Olá, sou Marcelo lima de Souza e pretendo acompanhar o programa ondas literárias.
Também estou na dúvida com relação ao horário do programa, será sábado dia 25/10 às 10:30 hs ou neste mesmo dia às 21:30 horas.....
[]s
Marcelo

Andréa Catrópa disse...

Barone e Marcelo,
O que seria dos distraídos sem a benevolência alheia? Obrigada por escreverem. O horário certo é 10h30.
abs

Madalena Barranco disse...

Andréa, que linda notícia!! Já faz tempo que não "conversamos" na Web, mas não me esqueci de sua arte e da forma como defende a Poesia. Parabéns e obrigada pelo comunicado.

Abraços.

Andréa Catrópa disse...

Obrigada pela força, Madalena.
Abraço

João Carlos Luz disse...

Ondas literárias. Só não gostei do logo do programa. Uma maquina de escrever antiga e um rádio antigo... É uma estética pouco criativa no contexto do cenário plástico atual. Mas toda iniciátiva nessa área literáira e poética são muito bem vinda. Vou navegar nas ondas, que a literatura poética seja uma prancha, quem sabe um surf?

Anônimo disse...

Olá João Carlos, fiquei pensando no que você falou sobre a estética....
Qual a estética que você recomendaria para ilustrar o cenário plástico atual?
Fiquei curioso em saber da sua sugestão, ok!!
[]s
Marcelo

Andréa Catrópa disse...

Olá, pessoal
que bom que as ondas literárias já estão nos fazendo pensar até em sua conexão com outras artes. E, bom, a discussão está aberta.
Abraços,
Andréa

Marcelo disse...

Andréa, agora deixando um pouco a questão da estética (abordado anteriormente, vamos falar então do 1 programa.
Ouví o Celso Borges falar que alguns poetas concretistas são arrogantes, fiquei pensando...Quais as razões que levaram estes poetas concretistas ficaram mais ou menos arrogantes, "prepotentes"?
Ou tal característica é inerente a natureza do ser humano e assim poderíamos ter também esta característica dentro da poesia marginal.....
[]s
Marcelo

Andréa Catrópa disse...

Bem, foi uma afirmação do Celso...Vou convidá-lo a entrar no debate, para ver se nos dá mais detalhes sobre o que pensou. Pode ser? Acho que assim fica mais interessante...
abs

Marcelo disse...

Legal a sua sugestão em convite o Celso Borges para fornecer mais detalhes sobre este questionamento!!
Vai ser legal a sua participação, até porque tenho outras indagações a fazer a partir das suas afirmações durante o programa, ok!!
[]s
Marcelo

Marcelo disse...

Enquanto esperamos o Celso entrar no debate, segue mais uma questão...
Uma outra reflexão situa-se no interfaceamento entre poesia e as relações humanas no que diz respeito às convivências entre pessoas e a possibilidade até de construir outras amizades tão sólidas quanto aquelas que construímos na infância em qualquer outro lugar.
Estou sugerindo esta reflexão, pois peguei um gancho no que Celso Borges disse no programa: Em São Luiz (onde nasceu)....lembranças de relacionamentos, vínculos sólidos entre pessoas....Em SP (PODERIA SER EM OUTRO LUGAR QUALQUER) certo anonimato, mesmo morando a mais de 15 anos.
Por que é tão difícil para as pessoas construírem vínculos interpessoais (amizades) assim como aquelas construídas na infância, fora do lugar onde nasceram?
Quais as razões psicológicas, sociológicas, antropológicas e simbólicas deste fenômeno?
[]s
MArcelo

Anônimo disse...

Marcelo
concretistas, marginais e parnasianos podem ser arrogantes, mas nos últimos anos, os primeiros têm demonstrado muito mais claramente esse defeito, com aspas ou não. Muitos acham-se donos da verdadeira poesia, como se soubessem mais que os demais. Por outro lado sofrem o preconceito burro de que são frios, sem emoção, previsíveis e matemáticos. Pura bobagem. Abraço.
Celso